sem título

uma folha
do caderno
se
soltou

nela
havia
uma
poesia

naquela poesia
poucas
pa
la
vras

havia um
sorriso
e
duas

g
r
i
mas

(scs, 41212)

à árvore que não sorria

como se nunca houvesse primavera
se nada além do fim de tarde
ocaso cinza
de nuvens indiferentes
sem vento nem pássaros

e nas folhas
as lágrimas da chuva
a tristeza que não era dela,
mas ela a carregava
e sentia

por isso, não sorria
e só
– o tempo passa sem pena