Tag Archives: solidão

alguém?

estendo a ti a mão
não esperando encontrar-te –
nada senão ninguém
e o tédio
do braço estendido
cansado com o peso da mão

19 out 2011

Frio

dois corpos
tão nus
estendidos
lado a lado
desconhecidos
sem luz
dois corpos

01 out 2011

Orvalho

a precisa dor
que ignora
a dor de não ser
no olho que foge
à luz
ao tato
então, no rosto se espalha
o vazio
da surpresa da ausência
e não há o que ver
não há alguém
e permanece essa lacuna
crescente
nas entranhas
no lábio rasgado
o vigor se esvai
em sangue e acenos
suspensos

só um remorso
como orvalho que se evapora
cobre o corpo
inerte
pela dor e sonha
revira-se na solidão
e no ar pesado
do olho foge a luz
no rosto permanece a lacuna
do lábio beijado
suspenso
que ignora a dor
precisa
a ausência crescente
e o tato vazio
o consome
e orvalho se vai
não ser

só resta um corpo
inerte
na solidão

(scs, 21211)

02 ago 2011

Um menino

um menino caminha sozinho
é só um menino
num vasto e sombrio caminho
é um menino só

ninguém há com o menino sozinho
ninguém caminha com ele seu caminho
só o menino
segue
um menino só
só ele e sua solidão

(mc, 979)

24 jul 2011

A carta

Não queria terminar mais um dia
sem escrever-te uma carta longa
nas folhas da calçada
e enviá-la pela mão suja do carvoeiro.

Vou contar-te do último mês:
nele a vida pareceu não passar,
surgindo comum sobre a mesa cada manhã,
sem respeito pelos dias de outrora.

E também não houve novena
nem colheita nem partos.
Parece que as vizinhas morreram
e as fofocas cessaram. O mundo esperava.

Lembrei-me de você certa manhã,
pois o dia estava quente e a árvore
fazia uma sombra envergonhada
no chão do meu quarto

e me fez pensar em sorrir
ou em correr para fora sem rumo,
como se fosse encontrar outra vida
ou as respostas no campo dos girassóis.

Então a sombra só me disse
para esperar um dia mais e outro.
E ainda não houve novidades
e chegou mais um final de tarde. Fim.

E foi mais ou menos assim
o mês, contado em dias comuns,
em horas tristes e cantos noturnos
de pássaros ocultos e esperançosos.

Tentei encontrar uma lembrança,
uma notícia importante a contar ou
algum recado da alma que
deveria te dar – uma anotação qualquer,

mas não encontrei nada e
revirei os baús e os canteiros
e nada senão a mesmice e ontem
e uma só sempre igual passagem de tempo

que você conhece tão bem: por isso
foi embora. E levou nas malas
a única alegria que havia por aqui,
mais bela que a nascente do riacho

– ele mesmo parece ter perdido a vontade
de cantar em meio às pedras.
A despedida é sempre uma dor
imensa que o coração tem de sofrer,

e a distância faz da lembrança que se tem
uma imagem que vai se desvanecendo
como o orvalho nas pedras
quando o Sol se acende pela manhã.

Então, pensei que te escrever, amigo,
pudesse manter por mais tempo escondido
o Sol e te manter, orvalho, mais
tempo comigo cada manhã.

Mas não parece funcionar…
Te vejo cada vez mais distante,
figura irreconhecível no cimo do morro
lá muito ao longe. Sei que é uma pessoa,

mas não vejo o rosto, a doçura do sorriso,
o que dizem os olhos, o suor na testa.
Te escrevo como quem sacode
a mulher que desmaia ou o recém-falecido,

querendo trazer de volta, impedindo a morte,
recusando-se a aceitar que a vida se vai,
que leva em sua saia o que se tem de
mais precioso e doce e amável.

Acho que a carta devo mandá-la
pra mim mesmo, pra me lembrar
que um dia você esteve aqui comigo
e viveu comigo minha vida e foi

parte dela. Preciso ler isso pra voltar
a ser quem já não sou e me reencontrar
na certeza de que você não é uma mera
invenção de minha alma sempre tão só.

Sim, você nunca vai saber que escrevi.
É melhor assim. Talvez eu lhe seja
um cadáver voltando do além
para assombrar seus dias agora felizes,

e só quero poder viver aqui, debaixo da
árvore que ainda é tímida
e vendo a vida sem novidades
passar por mim todo finito dia.

Não há porque desperdiçar as folhas da calçada
nem porque incomodar o bondoso carvoeiro.
Vou poupar minha caneta, vou guardar minhas palavras,
vou só rabiscar no ar umas sílabas soltas

de despedida que ninguém lerá.
Desta vez, para sempre.
E quando o Sol terminar de secar
o orvalho
só restará a pedra.
Eu.

(scs, 8311)

26 jun 2011

Apenas

Ouço apenas
o silêncio
de ouvidos mudos
da boca surda
ao desabrigo do lamento
à solidão da dor.

(scs, 41110)

04 nov 2010

%d blogueiros gostam disto: