silêncio

desenhei um silêncio tão grande
que mal coube na palma do papel
escorreu entre os dedos
e pingou no ar
manchando a nuvem que passava
grávida de chuvas

agora, ela chora rostos sem sorrisos

(scs, 19516)