mil dias

por mil dias guardei teu silêncio sobre meus braços
e não sabia mais o que devia desejar
na manhã de nuvens em brancos pedaços
outra despedida de outono, um afago sem olhar

por mil dias contemplei teu sorriso no lago tranqüilo
águas turvas da memória eterna que revive
carregando suspiros de doce voz no sigilo
com que chamaste o nome que eu outrora tive

por mil dias fugi por entre os arbustos mortos
com medo de não acordar, não ser reconhecido
trilha áspera como os pensamentos incertos, tortos
de sons e ternuras e nenhuma paz que tenha vivido

por mil dias fingi reconhecer teu rosto em cada pedra
uma frieza de limo sorrindo sem vida
mergulhada na incerteza de quem não eras
– um desabafo sem força, cheio de medo da despedida

por mil dias voltei a procurar-te no ninho e no alto do monte
angustiada – como será ainda o que não sei se preciso? –
derramando gotas de sangue nos pedregulhos e na fonte
fertilizando sementes, flores sem cor, de aroma indeciso

e, ao final daqueles outonais mil dias,
quedo-me de novo, como no início, só
tomada daquela mui antiga saudade
guia angustiosa dessa minha estranha jornada

contemplo-me na areia que reluz prateada
refletindo à sombra o sonho da realidade
espalho de meus tantos pensamentos sem dó
o fim da visceral busca: a mim já não querias

(scs, 23115,918)

mais finito

depois, acenou com amor
uma despedida sem fim
enquanto o ônibus sumia na estrada

permaneceu como se seu olhar
pudesse trazê-lo de volta estar com ele
e já era só uma estrada vazia

e a vida agora era vazia
de uma saudade dolorida dos abraços tantos
e do abrigo entre eles
de promessas impossíveis
– mas o que importava eram só eles dois

então: veio a despedida
e ela ali acenando a quem já não havia
um coração desfalecido
a vida desocupada de razão
– tudo parecia mais finito que a estrada
infinita que os distanciava

– Mãe, vamo pra casa! Tô cansado…

não era possível viver de outro modo

(sc, sd)

sem título

o que era de fato
nem mesmo pensamos
no entanto sim estava
e por isso tão solene
como a noite e uma
gota de sangue ou lágrima
de toque macio e não
tão simples sendo assim
que surpresa já sempre
um anelo não uma ausência
de poucas cores mas doçuras
nem haveria em nenhum canto
o aroma de que fizemos
o outro sonho da alegria difusa
bem de manhã sem lençóis
piso frio caminha tonto
e florejam liláses a nuvem
miúda nos diz o Nome e
lembramos nada somos
só desejos e saudade

(sp, 25813)

saudade

Saudade é a malvada dor
que o benfazejo amor
faz brotar pela ausência
e rega com a distância.

Ah, tenha dos saudosos clemência
e dá-nos, da presença, constância!

(scs, 151216)

sem título

considerava o horizonte
quando a saudade sumiu
no vento suave que sussurrava
uma nova vida

e lhe voltou o sorriso
sem o peso daqueles ontens
afastou-se lentamente da sepultura
as flores no chão como despedida

(scs, 4116)

chuva e saudade

tua
presença
chove
em
minha
saudade

chovem-me
as
saudades
desta
contínua
ausência

ausento-me
em
chuvas
de
saudade
chorosa

saudade
e
chuva
em
meus
olhos

saudosa
chuva
ecoa
abraços
ausentes
constantes

faz-me
chuva
saudosa
lembrança
de
amanhã

fluem
saudades
chovidas
sobre
olhos
secos

chuvas
antigas
inundadas
de
novas
saudades

saudades
antigas
uma
chuva
sem
fim

na
presente
chuva

toda
saudade

saudade
egoísta
tranca-se
na
nuvem
chuvosa

choram
saudosas
nuvens
em
doce
remorso


nuvens
sentem
saudade
da
chuva

notas
de
saudade
na
chuva
morna

noites
tontas
de
saudade
chovem
memórias

viam-se
saudosos
chuvas
intensas
nada
mais

tanta
saudade
chovida
em
cada
lágrima

ouvida
saudade
nas
gotas
tristes
chuvosas

vi-te
ainda
na
chuva
sem
fim

finda
chuva
foram-se
nuvens
perene
saudade