só o poema

preciso poetar mais
a vida anda muito engasgada
na ponta da pena
anseios e assombros
não se entregam se não
sangrarem tinta
muitas paisagens se perdem só nos olhos
os sonhos desneblinam-se ao amanhecer
– o mundo é menor que as sílabas! –
só o poema pode guardá-los
vivos e tenros (eternos?)

(scs, 28818)

poema inaugural

era numa página nova
que se derramava um novo poema
inascido
imaturo
repentino
um sossego despertado
na página nova
riscavam as mesmas letras
infundadas
madrugadoras
irrisórias
espalhadas como sementes
ou flores
ou túmulos
ninhos
(con)fundiam-se
num hino inaugural
de melodia surda e singela:
era o poema

(scs, 18613)

a rosa

a rosa
caída
na calçada
é poema
que a chuva leva

a mão
pequena
molhada
das lágrimas
que olhos tristes
choviam
colheu
a rosa
trazida por
outra chuva

e os olhos
sorriram
com o poema
entre as mãos

(publicada em 26.10.09; atualizada em 11.2.18)