Não

nem o espelho o via
sem sombra,
seu espaço percorrido pelas pessoas
a chuva atravessa seu não-estar
o vento carrega folhas através de seu peito
ele não há

(mc, 1059)

perda

outros tantos são
os sabores dessa ausência

os mesmos sonhos nos
visitam desde a infância

nem sempre lembramos do
que fomos, à distância

sabemos, tão tolos,
dos risos da demência

querendo de volta, logo,
cada parte de nossa substância

para sempre perdida
na alegre inexistência

(scs, 61216)