Escudo português

Amizade
não se compra com
1 escudo português.
No pescoço, porém,
o escudo fala da amizade
que há –
que é só contigo –,
que é escudo
para o coração.

(p, 19911)

Casa dos amigos

A Rafa e Tássia

o descanso
na casa dos amigos
o profundo sono
no leito amigo
o calor morno
e o vento pela janela da casa amiga
a acolhida
a quem não é, mas volta
por ser ao longo dos anos
amigo
a meia luz, a história do outro,
a música, a demência,
outra história de
amigos
nova preocupação, fardo no peito
consolo certo, semelhança
as muitas fotos, os mimos
a imensa alegria, honra imerecida
estar na
casa dos amigos

(r, 11911)

Cento e 40

A Hélder Nozima

Com 140 lágrimas se faz meu pranto.
Com 100 e quarenta segundos de distância brota a saudade.
Desta minha centenna de annos mais cuarenta contemplo solidão e perguntas.
Cento e quarenta páginas depois, o mesmo desconforto: quem sou?
Em 140 letras, o barro, tal qual somos.
Após cento e 40 versos, o consolo.
Caminho 100+40 ruas, e não encontro.
Meço outros c e n t o e q u a r e n t a passos, e as esquinas se repetem, insones.
Mergulho 140 metros, e há silêncio e paz e nada.
Dentro há cento e 40 veias, pulsando inquietações,
pensando 40 e cem vezes as mesmas novas lembranças
de uma centena e 40 fotografias amareladas.
Visitei cidades, 140 delas, e em todas te encontrei.
Te revi 140 noites, e nunca havias sido feliz. Esperança.
No quarto do hotel, revirei-me 4, 40, cento e quarenta vezes na cama
até que dormi 140 sonos embalados pela doce canção.
Pisei, indiferente, 100 e 40 grãos de areia,
e neles pérolas e espinhos, de cento e 40 tipos,
mas, nas dores que causaram, 100quarenta lições inesquecíveis.
E viva! Vem a chuva, em 140 mornas gotas
e ternas gotas de carinho, vislumbradas em 100toe40 cores,
e ela la(le)va o pó e a angústia dos cento e quarenta poros da face.
Continuemos, então, até encontrar todas as 140s respostas.

(scs, 29711)

A carta

Não queria terminar mais um dia
sem escrever-te uma carta longa
nas folhas da calçada
e enviá-la pela mão suja do carvoeiro.

Vou contar-te do último mês:
nele a vida pareceu não passar,
surgindo comum sobre a mesa cada manhã,
sem respeito pelos dias de outrora.

E também não houve novena
nem colheita nem partos.
Parece que as vizinhas morreram
e as fofocas cessaram. O mundo esperava.

Lembrei-me de você certa manhã,
pois o dia estava quente e a árvore
fazia uma sombra envergonhada
no chão do meu quarto

e me fez pensar em sorrir
ou em correr para fora sem rumo,
como se fosse encontrar outra vida
ou as respostas no campo dos girassóis.

Então a sombra só me disse
para esperar um dia mais e outro.
E ainda não houve novidades
e chegou mais um final de tarde. Fim.

E foi mais ou menos assim
o mês, contado em dias comuns,
em horas tristes e cantos noturnos
de pássaros ocultos e esperançosos.

Tentei encontrar uma lembrança,
uma notícia importante a contar ou
algum recado da alma que
deveria te dar – uma anotação qualquer,

mas não encontrei nada e
revirei os baús e os canteiros
e nada senão a mesmice e ontem
e uma só sempre igual passagem de tempo

que você conhece tão bem: por isso
foi embora. E levou nas malas
a única alegria que havia por aqui,
mais bela que a nascente do riacho

– ele mesmo parece ter perdido a vontade
de cantar em meio às pedras.
A despedida é sempre uma dor
imensa que o coração tem de sofrer,

e a distância faz da lembrança que se tem
uma imagem que vai se desvanecendo
como o orvalho nas pedras
quando o Sol se acende pela manhã.

Então, pensei que te escrever, amigo,
pudesse manter por mais tempo escondido
o Sol e te manter, orvalho, mais
tempo comigo cada manhã.

Mas não parece funcionar…
Te vejo cada vez mais distante,
figura irreconhecível no cimo do morro
lá muito ao longe. Sei que é uma pessoa,

mas não vejo o rosto, a doçura do sorriso,
o que dizem os olhos, o suor na testa.
Te escrevo como quem sacode
a mulher que desmaia ou o recém-falecido,

querendo trazer de volta, impedindo a morte,
recusando-se a aceitar que a vida se vai,
que leva em sua saia o que se tem de
mais precioso e doce e amável.

Acho que a carta devo mandá-la
pra mim mesmo, pra me lembrar
que um dia você esteve aqui comigo
e viveu comigo minha vida e foi

parte dela. Preciso ler isso pra voltar
a ser quem já não sou e me reencontrar
na certeza de que você não é uma mera
invenção de minha alma sempre tão só.

Sim, você nunca vai saber que escrevi.
É melhor assim. Talvez eu lhe seja
um cadáver voltando do além
para assombrar seus dias agora felizes,

e só quero poder viver aqui, debaixo da
árvore que ainda é tímida
e vendo a vida sem novidades
passar por mim todo finito dia.

Não há porque desperdiçar as folhas da calçada
nem porque incomodar o bondoso carvoeiro.
Vou poupar minha caneta, vou guardar minhas palavras,
vou só rabiscar no ar umas sílabas soltas

de despedida que ninguém lerá.
Desta vez, para sempre.
E quando o Sol terminar de secar
o orvalho
só restará a pedra.
Eu.

(scs, 8311)