rompante

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×

você é tantos sons confusos ao redor de tudo
de manhã ainda ontem sem mesmo acordar
e vem outro sem trégua torrente furiosa
como se não me fosse possível respirar ou ser
querendo minha atenção inquieta nesse mundo tanto
eu sem estar aqui quase uma tentativa vã
sem desistência ou respeito não-ouvido
destrói o que eu pensava pensar mesmo querer
os sons sim os sons confusos confusos sons confusos são
e tudo você é você é isso que minha mente
atormenta um precipício esse mortal de enganosa paisagem bela ao redor
se convencido há o salto e é isso o que não desejo de covarde ou não
mas sei que almejo ainda hoje aquela manhã que jamais tenho
não preciso temer o grande acima de mim um mistério de dores
mergulhadas na superfície de murmúrios indistintos em passados não-sepultados
e os sons confusos gritam roucos pelas planícies que se confundem no horizonte
uns riscos no chão de dramas recentes por dores arcaicas
se misturam ao sangue e à poeira nos pés
trilhando um caminho abandonado outra vida iniciada em rompante
no momento único do beijo o aceno raios e chuva tão pesada
tormentos não dores antigas e você como eu
instantes perdidos na busca tola busca de aléns e calmarias
no entanto a flor não desabrocha rouba o brilho ao sol
guardo os olhos nas pálpebras de desolação
de rever os sons confusos o vento é forte e morno
enquanto seca-se a folha o desalento é tanto que nem
e nunca mais isso mesmo fluindo do âmago
em pleno amargor de tudo o que teria sido
teu recomeço em silêncio o completo momento
de antes você e ainda eu e nada mais

(scs, 18315)

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×