Orvalho

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×

a precisa dor
que ignora
a dor de não ser
no olho que foge
à luz
ao tato
então, no rosto se espalha
o vazio
da surpresa da ausência
e não há o que ver
não há alguém
e permanece essa lacuna
crescente
nas entranhas
no lábio rasgado
o vigor se esvai
em sangue e acenos
suspensos

só um remorso
como orvalho que se evapora
cobre o corpo
inerte
pela dor e sonha
revira-se na solidão
e no ar pesado
do olho foge a luz
no rosto permanece a lacuna
do lábio beijado
suspenso
que ignora a dor
precisa
a ausência crescente
e o tato vazio
o consome
e orvalho se vai
não ser

só resta um corpo
inerte
na solidão

(scs, 21211)

Print Friendly, PDF & Email

Comments (2)

  1. Helder Nozima

    Francisco, gostei muito do seu blog. Mas por que vc o mantém aqui e não em um serviço como o WordPress onde o bandwith dele é maior?

    Graça e paz do Senhor,

    Helder Nozima
    Barro nas mãos do Oleiro

    Reply
    1. francnunes (Post author)

      Oi, Nozima!
      Que bom que gostou!
      Eu tenho 5 gb de banda por mês e tenho quatro blogs hospedados em meu domínio, xn.blog.br. A visita a todos eles, por vezes, esgota os 5 gb antes do final do mês. Preferi concentrar todos em um domínio, pois é mais fácil para eu administrar. Já perdi muita coisa por aí, em serviços gratuitos.
      Grande abraço!

      Reply

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×