culto em Paraty

Uns poucos.
O pequeno rebanho
do grande Deus.
Voz rouca,
voz louca,
uma só voz
ao Único.
Mesmo com olhos que não vêem
há visão do que a carne não vê
e o grande Deus
fala
na boca simples de quem O teme.
E os visitantes
são de casa
são a Casa
com todos no inefável vínculo do ágape.
Milagre. Mistério. Zoé.

(p, 18911)

Print Friendly, PDF & Email

A impressão de sua alma a esse poema: