barata

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×

Havia uma barata no meio da calçada.
Esmago-a sem emoção.
Na verdade, confesso
com prazer de eliminar seu ser asqueroso.
(Terão alma as baratas?)
Agora carrego seus restos mortais,
sua lembrançalma gosmenta,
na sola do sapato.

Eu não matei a barata. Perpetuei-a.

(mc, 13119)

(fonte da foto)

Print Friendly, PDF & Email

A impressão de sua alma a esse poema:

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×
%d blogueiros gostam disto: