alguém?

estendo a ti a mão
não esperando encontrar-te –
nada senão ninguém
e o tédio
do braço estendido
cansado com o peso da mão

Print Friendly, PDF & Email

A impressão de sua alma a esse poema: