Monthly Archives: outubro 2012

118

vi-O
depois
de
tanto
tempo
morto

12 out 2012

117

tão
intensa
a
vida
e
imensa

12 out 2012

116

nossos
filhos,
tão
nós
dois
!

12 out 2012

haicai (Bashô)

Admirável aquele
cuja vida é um contínuo
relâmpago

08 out 2012

a cidade e suas rugas

De tudo que vi,
nada parece
resistir
à força do vento,
à impiedade do sal,
à carícia da areia,
ao tormento do Sol,
à pressa do tempo,
à indiferença da Lua.

(n, 24912)

06 out 2012

115

sem
percalço
andava
pela
calçada
descalço

06 out 2012

114

a
chuva
chora
lágrimas
de
crocodilo

06 out 2012

113

concluo:
no
fundo
tudo
é
superficial

06 out 2012

sem título

nunca mais esqueceu
aquela desgraça
que nunca lhe aconteceu

06 out 2012

112

seu
medo:
sonhar
que
estava
acordando

06 out 2012