Monthly Archives: outubro 2011

a vida

não sei se concebo
a vida
como sorriso que se foi
como aceno sem sentido
como abraço sem calor

como alma debruçada na janela
como reflexo pálido na retina
como melodia desafinada

como passos inseguros na mata
como sol forte ao meio-dia
como o encontro do primeiro encanto

como esconderijo nos braços
como beijo doce nos lábios
como suspiro de cor-amor

como fantasma de um desconhecido
como confissões a um diário surdo
como sino que chora sozinho

como corrida sem fim
como oásis que se desvanece
como onda no mar frio

como pegadas na areia molhada
como suor na face cansada
como alento pelo último olhar

como pena que mancha o papel
como carta sem destinatário
como grito na madrugada

como retrato desbotado
como cadeira de balanço que geme
como janela que foi aberta pela manhã

como despedida constante
como cochilo sem descanso
como luta sem prêmio a ganhar

como espelho que reflete nada
como estrada já trilhada
como mina de ouro a jorrar lama

como pálpebras sem repouso
como doçura de flor e pólen
como repouso após amar

como o desterro do rebelde
como a cova do covarde
como a chuva que chora toda dor

como livro sem autor
como desenho nas nuvens
como sangue que escorre dos dentes

como tolice que escapa da boca
como dilema diante da luz
como risada que rompe o velório

como cisterna sem mais água
como dente que morde a língua
como gesto que censura a palavra

como esperança que se renova
como desejo que explode e arranha
como página virada e inédita

como a espera pelo último ônibus
como a travessia do leito seco do rio
como folha seca ao vento

como o corte na pele fina da moça
como a sombra que assusta e some
como o moinho que move o nada

como a pedra chorando do riacho
como o pássaro ferido, com medo
como o menino abandonado no casarão

como o chocalho sem dono na creche
como o sossego do velho casal
como a pimenta e o mel do lar

como o quarto revolto do jovem casal
como a mão nas têmporas em dor
como relíquia rara no fundo do armário

como medalha barata de honra ao mérito
como brilhante falso de um falso amor
como esmola dada a ninguém

como ouvido surdo à frase carinhosa
como cobertura sem gosto do bolo
como desassossego ao som do despertador

como pintura rupestre no ventre da grávida
como incenso queimando à chuva
como esquina que nunca chega

como olhos vazios vendo o incêncio
como brasas iluminando a noite sem nuvens
como animal atropelado à beira da rodovia

como doença esquecida que cria anticorpos
como receita caseira pra ser feliz
como louca gritando meu nome com voz rouca

como aperto na garganta com o final triste
como o começo da escalada
como o cheiro do vento passando

como vista nublada do alto do monte
como farol que some na densa neblina
como flecha que fere o alvo sem dó

como o desânimo ao fim do dia
como o descanso ao fim da jornada
como o orvalho sobre o corpo ao relento

como ar puro que explode em risos
como alegria nos braços de muitos
como a solidão entre tantos rostos

como falar sozinho olhando-se ao espelho
como ondas na água do lago
como pássaros fugindo do inverno, sem rumo

como suspense com o abrir da porta que range
como alívio do calor sob a chuva fina
como beijo roubado com sangue e saudade

como escadas a subir ao alto do monte
como campo de tulipas sob a luz da lua
como inseto que brilha com asas estendidas

como intenso delírio na festa sem fim
como sonho feliz que se rompe na aurora
como aromas confusos de campos de flores

como algemas de veludo nos braços indolentes
como pêlos arrepiados de frio e de desejo
como canção de ninar que acalma o bicho-papão

como dor no peito que não cessa
como preguiça de tentar de novo
como neve que cai nos cabelos brancos

como ponte sobre o riacho estreito
como abismo escavado nas rochas
como sombra fria sob a árvore morta

como caminhada silenciosa de mãos dadas
como marionete sem fios no palco
como o ruído baixo no assoalho do sótão

como sujeira entre os dedos
como desespero pelo futuro incerto
como o olho frio do tubarão-branco

como o trigo dourado que espera a colheita
como a força da água que esculpe a rocha
como o sol que se vai e deixa seu dourado no lago

como a ferrugem que corrói a coroa
como a neve pura e branca que se torna lama
como a nuvem negra que esconde a cidade em sua tristeza

como o tornado que revira teus cabelos
como o meteoro riscando o céu e logo não sendo mais
como casulo dormente embalado pela brisa

como reflexo impreciso de teu olhar na água
como o azul do mar que esconde tesouros e monstros
como lobo a viver sua solidão na pradaria cinzenta

como folha que o outono murcha e desbota, ainda que bela
como estação de trem com passageiros sem destino algum
como rocha inerte pintada pelo louco poeta

como passos na areia quente do deserto
como frágil grama que está ali ao sol por um pouco
como semente que nunca caiu na terra e permanece só

como cabana abandonada em uma montanha verdejante
como moça que espera na janela o homem que viu em sonhos
como água que maltrata a rocha que maltrata a água

como oceano que se lança da Terra plana em cascata sem fim
como aurora que se debruça no parapeito do teu olho
como peixe que busca ar no lago poluído

como navio que afunda tão perto do porto
como maçã mordida escurecendo abandonada no prato
como uivo para uma lua que se recusa a sorrir

como sorriso constante aos desconhecidos que passam
como joelho machucado que finge que não sangra
como planta solitária que abriga pássaros e produz um fruto.

não.
a vida não é
isso.

(scs, 23411)

02 out 2011

foste

agora sei-te
decifrei-te
te conheço agora a maldade
a máscara se foi
tua verdadeira face
desnuda

não mais tuas garras
sobre mim
se foram
sangro ainda
mas agora sei-te
de mim saíste
te foste

02 out 2011

sombra

a sombra na parede branca
sorriu baixinho
levantou a cabeça
e partiu

(scs, 21910)

02 out 2011

Coisas de Mário Quintana

Melancolia: maneira romântica de ficar triste.

Sempre me senti isolado nessas reuniões sociais: o excesso de gente impede de ver as pessoas.

02 out 2011

há um silêncio
que dói
quando o sorriso se vai
e não há mais motivo
pra viverem na mesma alma.

(scs, 7311)

02 out 2011

ah!

adeus
à dor.
ah, meu
amor!

02 out 2011

rosto

talvez, um dia,
eu venha a entender
o sonho
do nome esquecido
do rosto nunca visto
da lembrança irreal

(scs, 7311)

02 out 2011

não

não vejo na dor a luz
não ouço no grito a paz
não toco no nada o rosto
não sinto no ar a memória
não sorvo na mão a renúncia
não penso no olho a fuga
não fito ao lado a ausência

(scs, 7311)

02 out 2011

recôndito

Cometi os
alimentados
pecados ocultos
de cobiçar
ser quem não
e de não procurar
ser
quem deveria.

Só vergonha.

(scs, 29911)

02 out 2011

A mala

carrego comigo
numa mala pequena
muito gasta e suja
lembranças dos dias
felizes
que um dia tive.
mas a mala é um peso
incômodo
e a abandono vez após vez
num banco de praça
num ponto de ônibus
em cima da ponte
debaixo de pedras
na grande fogueira
no cume da colina.
e quando recomeço a caminhar
lá está ela
pronta a seguir comigo
a mala pequena
muito suja e gasta
carregada de lembranças
dos dias
felizes

(scs, 2511)

01 out 2011