Monthly Archives: outubro 2012

cena urbana

o homem rico
sai com seu perfumado cão
pela distinta avenida.

o homem pobre
mendiga um dormido pão
mostrando a perna ferida.

o cão do homem rico
urina na perna
do homem pobre.

o homem rico
ao ver a cena nem
de vergonha se cobre
e ao homem pobre
o cão não pede desculpa.

“de ser pobre
é somente sua a culpa!”

o perfumado
cão do homem rico
é o novo filhinho mimado.

e o homem pobre,
indigno e infeliz,
ainda esmola, mesmo molhado.

(scs, 171012)

18 out 2012

131

tão
ordeiro
e
calmo:
o
cemitério

18 out 2012

130

confino
contigo
contente
consigo
conflito
contínuo

17 out 2012

129

tão
perto
de
mim:

eu

17 out 2012

128

infeliz
comigo
?
não
consigo
mesmo

17 out 2012

dupla, um paradoxo

por que
o amargo
é tão bom?
porque
não é.

(scs, 161012)

17 out 2012

outra

a carranca
arranca
o carro
e o catarro
arranha
a entranha

mas mais louca é você
que não me ama

(scs, 171012)

17 out 2012

127

sempre
Sá:
sem
pressa
!

17 out 2012

126

o
tempo:
em
cima
da
hora

15 out 2012

125

se
mente
de
pura
vera
cidade

15 out 2012